DATABASE
DATABASE
Check updated information about occupy movement around the world.
Report INITIATIVES and information about your local situation as well as IDEAS and PROJECTS.
Register in order to RECEIVE ALERTS of events related to your locality and FEEDBACKS from your reports.
Translators needed!!!
TRANSLATORS DESPERATELY NEEDED
Contact us if you can translate into MANDARIN, ARABIC,FARSI,JAVANESE,PANJABI,URDU,FRANCAIS,TELUGU, VIETNAMESE,ESPANOL,RUSSIAN,PORTUGUES, ENGLISH (if not existing), JAPANESE, SWAHILI, HAUSA, AMHARIC, YORUBA, KURDISH,LINGALA, AFRIKAANS or any other language!!

Quick guide for a revolution [multi-language]

[MULTILINGUAL] Quick guide for a revolution [PDF]

[ENGLISH] Quick guide for a revolution
[ESPAÑOL/SPANISH] Breve guía para montar revoluciones
[PORTUGUÊS/PORTUGUESE] Guia Rápido para uma revolução



[MULTILINGUAL]
- English
- Español/Spanish
- Português/Portuguese




[ENGLISH]

Quick guide for a revolution
(by the movement 15M/Occupy)

Index:

Be the 99%.
- Think as the 99%.
- Ask the 99%.
- Open the doors to the 99%.
- Engage the 99%.
The 99% is global.
Conquer the minds. Define our own imaginary.
Emotions are the motors behind a revolution.
- Don’t be boring, don’t let anyone bore you. Inflexibility and hate are weak and make us weak.

Organization:

Gather in the public spaces. They are yours. Re-invent them.
- Demonstrations are only one possible form of protest.
Combine the street and the net.
Unity creates strength. Do not organize by issue or territory.
- Specialization leads to dispersion.
Talk, talk, talk.
- Always listen actively.
- Don’t encode the message.
Take care of the debate.
- Everybody should take care of the debate.
Decide democratically. Don’t let minorities decide for the rest.
Stand together whenever possible. Be a multiple crowd the rest of the time.
- Momentarily prioritizing does not mean renouncing.
- Reform or Revolution? Changing the system or building a new alternative one?
- Multiplicity, without losing the weight of each individual.
Don’t allow venomous minorities to kill the rest.
Always horizontal, even when being vertical.
Create open spaces, flexible ones and full of people.
- Open spaces
- Flexible spaces
- We are human beings and we like to be treated accordingly.

Actions:

The strength of non-violence.
Don’t let them label you, and limit you. Innovate. Surprise.
Think big.
- Evaluate your actions.
Be active not reactive. Prioritize.
- Mark your own time.
Don’t propose, do it.
- Shredding others is not a good unity method.
- Affinity Groups.


Be the 99%. The structure of a society can only exist with the acceptance of the people who form it. If society decides to change and organizes itself to do so, the change is inevitable. In this situation, even if the powerful try to stop it, they can’t do it if the majority decides to go through with this change.
- Think as the 99%. Before proposing an action or reivindicacion, think: Is this proposition aligned with the 99%, will the 99% feel this proposition is like their own? Remember that the 99% are the ones who have the power to change or to avoid the change. If you try to impose something they don’t relate to, you will fail.
- Ask the 99%. the first essential step is to ask and understand what the 99% want. This is something that should always be reviewed, should always be under construction, always valuable.
- Open the doors to the 99%. Anyone needs to feel that the spaces, the structures, the actions and the propositions are also theirs and that they can participate in their construction or decision, as well as follow their evolution. If there are minorities that decide for me, or exclusive spaces that I do not feel are mine, it shall not be my revolution, and therefore it shall not be the revolution of the 99%.
Engage the 99%. Proclaiming that everyone can participate in the spaces and actions is not enough for them to actually do it. Being able to get people to actively participate in the change is much more important than any action. The minorities of activists do not change the world, even if they think they see the world very clearly, and that is why it is fundamental to generate mechanisms for everyone to actively participate. Remember that participating is not just going to assemblies, demonstrations or actions. Participating can be giving a hug, moving a chair nearer, writing a text, sending a postcard to an anonymous person explaining to them why we are the 99%, etc. Its fundamental that each person find or invent the way they would like to participate in.

The 99% is global. So why change only one country? Our lives are not disconnect from other nations any more. Don’t let imaginary lines in a map stop a greater change.
The changes are quickly replicated worldwide showing how our aspirations are pretty much the same and ready to be shared without cultural translation. Speak face to face with other people from elsewhere and find out that the differences are only superficial and limited to what is aesthetic or anecdotal.
Sharing the revolution with other countries helps people feeling reassured to be part of it and includes much more people to produce ideas, proposals and tools that will help us all. The collective grow is an intellectual grow.
Reach a global level means creating a true dialogue between people from all over the world. It’s not translating what each country does and creating hundreds of monologues.

Conquer the minds. Define our own imaginary.
If the key to revolution is people wanting and fighting for a change, their subjectivity is what needs to be transformed for an effective change. That’s why each individual subjectivity and the collective imaginary created among all will be our first battlefield.
The revolution is a fight to make people believe in a change that seemed impossible before.
If you get this, the revolution wins – the structural change that comes afterwards is inevitable.
The system’s main strategy in define “what things are”, “reality”, with a very concrete image, that always replicates the status quo, making any chance of change unbelievable.

Emotions are the motors behind a revolution.
This is what defines if an action will succeed or fail. It’s the key, what make us closer to a discourse, a proposal, to commit.
If emotions are inactive then it’s impossible to succeed . If you agree with an idea but you’re not really touched by it, then you won’t put an effort to make it happen.
- Don’t be boring, don’t let anyone bore you. Inflexibility and hate are weak and make us weak.
When we have fun we are creative, empathetic and nice. To laugh, to behave naturally, gives you more strength, reaffirm your legitimacy, invite other people to join. You can face any serious matter without having a frown in your face or shouting. Hate destroy our creativity, limit your options, close the choices, split the group. You need not to hate the 1% to win, just trust on the 99%.

Organization:

Gather in the public spaces. They are yours. Re-invent them. Gather in the public spaces and talk and enjoy and organize yourselves. Take the streets, the squares, the parks, the markets, the museums, the subway, the elevator. Take your spaces and make visible the 99%, but don’t contempt to gather only to demonstrate. If there is a demonstration, take the most of the opportunity and gather to talk, organize, create, propose, invent, innovate. The spaces of the 99% are waiting for them to be wholly reinvented.
- Demonstrations are only one possible form of protest. In most cases, they do not meet their goals. Don’t limit yourselves to what is already known. _Innovate_Imagine_.

Combine the streets and the net: In the streets is where you find emotions, physicality, what move us. It’s where you can see the other, the way he speaks, the way she laughs, their emotions and everything that connect us. We feel we are many, it give us energy and makes us less lonely and isolated. We recognize ourselves as the 99%.
On the other hand, the streets are limited. There’s a limited amount of people talking, a limited organization and exchange of informations – it’s not always inclusive, as we know that not everyone can join, there’s a limited amount of us.
The net is an instant and unlimited space where millions of people can meet and organize, uniting countries and cultures, creating connections that would be impossible otherwise. The net is the only democratic, horizontal and decentralized space where huge powers are weaker than the sum of the citizens.
When we fall out of touch with the street, the emotion is lost. If we lose the net, we lose the globality, we lose our most powerful information and organizing tool.

Unity creates strength. Do not organize by issue or territory.
Although the idea of organizing the movement by issues or territories seems quite natural and logical, that way you will focus and prioritize the issue or territory problems and then you start partial fights where only the people involved on that issue or territory will join, losing the strength of the 99%. If you split the struggles, a lot of people will not feel most of these as their struggles, and therefore it will not be their revolution; this splitting fade off the references to what unite us and define us as the 99%. As an example: If the movement is based or limited to education, on that fight will only be engaged teachers, students, and relatives, even when we all could think that education is one of the cornerstones of society. The same could happen if we think from our neighborhood or city.
However, if instead of the particular points, the basis of the movement is the common ones, what unite us, everybody will think in all issues and territories, each partial fight will be thought, proposed and supported by everyone. We all be the ones in charged to defend each partial fight.
Beside that, with respect to the territories, we have to take into account that the territorial divisions have nothing to do with the common feeling. We sleep, work and meet people going from one area to another, sometimes across borders, communicating and creating links and affinities beyond our countries. The idea of territorial organization is accidental and, especially thanks to new technologies, has lost its sense.
Of course, that doesn’t mean that over this common basis of organization you can not build structures organized by issues or territories, but always as secondary elements with respect to what is really collective and universal.
- Specialization leads to dispersion. We have a tendency to organize groups by its own specialized knowledge or discussion – avoid that so you don’t get fragmented.
Each time you create a new group make sure there’s a reason for that; also make sure some people contribute not to let people disperse so it can be effective.

Talk Talk talk. Spread the words everywhere. Listen to all opinions. Let all the infos appear. Let people debate and debate.
- Always listen actively.
Listen, listen, listen. Let the differences be understood. Let everybody understand each other. If we don’t listen the others we won’t get very far; if each of us does the revolution by his own, we all fail. The debates should not turn into fights to see who is right. Make sure that everybody listen actively, and there is always a will to understand what the other want, no matter if we like it or not. Let the ideas be the main roles of the debate, and not the people.
Do not forget that listening actively is the opposite to passiveness. It goes far beyond of just attention and respect. It doesn’t mean to wait for your turn to speak with attention. It’s a genuine attitude of understanding what the other say, why he says it, and constructing from that point. Motivate that everybody ask about what they don’t understand, that they look for alternative points of view, that the arguments are reinforced or changed.
- Don’t encode the message.
To make active listening easier do not use private, technical or unnecessarily complex languages. Express your opinions in an easy, clear, concise and synthetic way: expose and reinforce your main idea without too much explanations, adornments, or unnecessary technicalities. The goal is that most understand your ideas to join the debate. The ideas can still be very complex even if expressed in a simple way.

Take care of the debate.
Do not allow that people attack each other in the debate spaces or violent atmospheres appear or people not daring to stand up and express doubts or think against the majority. Nothing justifies not to have a calmed debate, or fear to think differently.
- Everybody should take care of the debate.
Everybody should stay alert against demagogy, violence or fear to think different. Do not let some people to be in charge of it. Build tools that allow you to answer collectively in such situations.

Decide democratically. Don’t let minorities decide for the rest.
Whenever you have to take a decision on something let everybody express their opinions, especially the disagreements. Let the debates develop, and try to make the people reformulate their proposals and find consensus between disagreements. But do not force the synthesis or the homogeneous thought as the unanimity. Not always different opinions could be synthesized in a single opinion. Let the people decide when the debate is finished and the opinions could not get closer, and therefore is time to take a decision. And when that time comes, take a decision by majority. Be sure that the minority disagreements are collected and they have their space to be worked and build their own spaces (some of them after some work could turn into majority opinions), but do not let them block the majority feeling. Looking for consensus (how the process work) should not be confused with unanimity (that is just one of the possible ways to take a decision at the end of the process, and by the way is totally paralyzing unlike the majority way; do not repeat the same mistake the system does putting the 1% interests before those of the 99%). All the decisions should be able to be reconsidered whenever the people want and justify it. Therefore there is no problem to make wrong decisions. The paralysis produced by fear of acting wrong is much more dangerous.

Stand together whenever possible. Be a multiple crowd the rest of the time.
Be constructive. Do not persist always in what each one of you think is the right way. Act together whenever possible; open different paths and work in your choice without attacking the others the rest of the time. If you are wrong it will be great that other people were working in other options. Do not build artificial consensus proposals that seems to contain everyone’s option but actually satisfy no one; that usually kills the most interesting part of each idea.
- Momentarily prioritizing does not mean renouncing.
If at some point you need to take a decision that affects the whole movement, and at that point it’s not possible to open multiple paths, remember that every decision could be reconsidered in the future, so you will be able to try other ways. In order to find the right decisions many times we have to go first through some wrong ones. Do not let your disagreement avoid any decision to be taken. Do not put your own position before everyone’s.
- Reform or Revolution? Changing the system or building a new alternative one?
Run away from questions that take you to artificial or unnecessary dichotomies.Reality is full of possibilities, you don’t have to choose between opposites – many options can be created simultaneously.
A natural division will appear between people who wants small changes to those who wants big ones ; or between the ones who want to control the system and change it and the ones who wants to create a new alternative one. Don’t let the debate focus on that – there’s no need! Remember that all of us want a change. Open multiple paths and make people able to go as far as possible.
Many possibilities is always better than just one – and more people participating, by extent.
Sometimes what seems opposite at first sight turns out to be complementary, if you avoid competition.
Competition, dichotomies, impossible opposites are strategies from capitalism.
- Multiplicity, without losing the weight of each individual.
Make opinion polls to see the acceptance of the different proposals between the people. It’s an important tool to understand what the 99% wants, and to help you decide your priorities.

Don’t allow venomous minorities to kill the rest.
It will always appear some individuals (not many, but very loud) that will try to impose their personal opinions and imaginary, use the strength of the revolution for their own personal struggle, the one that they think is the priority, using old-style languages, persisting on ways to act that never worked because neither their proposals nor their ways are the ones of the 99%.
Often these people try to make the rest believe that everyone that think different to them is “on the side of the system”, that other opinions are “an insult to the victims”, that if you don’t shout extremist slogans you are not on “the side of the oppressed”, they will use demagogy to match majority with totalitarian, they will accuse you of splitting the group, the will pervert the idea of inclusiveness and they will call themselves “the true revolutionaries”, they will take the generic issues to the personal side and will attack the others. Usually, their lack of arguments, will take them to impose their opinions by attacking, using demagogy, victimization or even violence. Their interventions will usually be destructive, except when the majority agree on their opinions. Actively listening will be something impossible for them.
The atmosphere generated by them coerce the rest of the people to express what they think because they transform to think differently in confrontation.
Whenever this happens, avoid direct confrontation, do not give them more space or voice that what they deserve. Neutralize these situations talking about them; you will realize that a lot of people will feel the same as you, but will not know how to say it. It’s very important to build mechanisms to avoid these radical minorities to monopolize the space and the time, because their struggle is not the one of the 99%. Stay alert, the strength of the majority is the only thing that can stop them, as it always happens with the ones belonging to the 1%.

Always horizontal, even when being vertical.
Working in a horizontal way, and using network structures, it’s really difficult for the system to dismantle you, and it’s the only real democratic way. Make sure that everybody can propose or organize something without going through and mechanism, structure, bureaucracy or anyone’s permission. The absence of leaders is very important to make the movement belong to the 99%, and let the people understand that it’s them who have to decide. Making all delicate positions (as spokespersons, moderators, or any position that generate tensions around) rotative is an excellent solution.
If at any moment the majority decides that it needs some kind of vertical structures or positions, be sure that these are controlled at all moment by all the people in a horizontal way, and that idea is clear and present for everybody inside and outside the movement.

Create open spaces, flexible ones and full of people.
- Open spaces. Spaces must be open so everyone can join. The ones that had never come before should feel comfortable and invited to do so; the ones that already joined should feel motivated to come back whenever they want. Make the participation as easy as possible, if in order to participate in a space you must follow thousands of protocols, in the end only those who already know it may participate, other people will be implicitly excluded.
Open spaces to people and ideas. Do not let any idea to be censored.
- Flexible spaces.
However, in order to make communication and creation possible on that spaces, through the sum of many individual voices, you have to set some explicit game rules. Often, these rules tend to become complicated over time, trying to avoid all possible problems, going against the previous openness; and also tend to become dogmas. The best would be to make all these rules as easy as possible, to let everybody participate, and at the same time let all the rule to be changed, and actually be designed to be changed at any moment, so you can always improve them. This will build organic, live spaces, instead of crystallized spaces, doomed by their own internal failures.
- We are human beings and we like to be treated accordingly.
That implies respect, empathy, generosity, etc. And even being a lot, we still are human beings. Behaving naturally you get close to people. Bureaucracy, complicated ways and languages, keep us apart from each other. “Keep it simple”. Make everything easy, so everyone can understand it. Behind simple ideas could be powerful concepts.

Actions:

The strenght of non-violence. The non-violence is more powerful than violence. It allows everyone to participate (men, women, young, old, legal, illegals, the coward and the bold).
Non-violence avoids labeling and doesn’t allow the system to delegitimize our message.
It allows multiple actions instead of a physical battle that makes us much weaker than the system.

Don’t let them label you, and limit you. Innovate. Surprise.
If they label or simplify us the movement loses its depth; being reduced to a stereotype that no one wants to be part of or understand.
The system is heavy and slow, our strength lies in the fluidity, fast pace, dynamism.
When movements become predictable when language and habits become uniform and old-school the movement has lost its flare, and thus becomes ineffective because the 1% knows how to play that game. Be unpredictable, attack where they are not waiting an attack, puzzle them, don’t be where they expect you to be. Choose always the game to play, and choose always games you win. Each time they propose their game, like a violent clash, run away and propose a new one.

Think big.
We tend to think from our daily lives, from what is around us, and we usually label as impossible a lot of things that actually are within our reach. Think big, as you had all means, and many times you will discover that actually it was easier that what you thought, or you will find new ways to achieve what you wanted. If something is worth it, if it is at least a minimal possibility to do it, and provides a great reward, do not stop trying.
Aspire to win with your actions. Do not fall in activism as a way of life.
- Evaluate your actions.
Before and after each action or proposal evaluate the effect it could have or it had, in order to help you decide the following steps.

Be active not reactive. Prioritize.
Do not become a reaction movement to what the system does. That burns you and limit you to a very specific way of facing things, and become easy to neutralize. The urgency of answering to specific situations make you prioritize what may not be a priority. Do not try to open all fights, focus and prioritize.
- Mark your own time.
Whenever you are proposing actions, answering the media or proposing content for the movement, mark your own time, the one more convenient for you. Don’t let anybody from outside impose you the pace, or rush because the urgency of all the things that you would like to change or answer.

Don’t propose, do it. Stimulate commitment every time there’s a proposal (at least organizing a group to give it a defined form and make it happen in case you need more people) so spaces can be much more productive; it invites people to think more before proposing.
Always remember to say: Don’t propose, do it.
- Shredding others is not a good unity method.
In order to encourage people to join, do not demand, complain, and criticize the passivity of the people. That way you will not encourage them to engage. Tell them that you need them, that the group will really appreciate their help. When somebody feels useful it participate by desire, not out of obligation.
- Affinity groups. Motivate people to get used to organize into groups while developing an idea (affinity groups, friends or people that think alike; no bureaucracy).
It’s not only more efficient and less destructive when ideas are not fully mature yet but it also promotes an active attitude towards life and society, extremely important for a change.

[Copy, translate and spread this text everywhere]





[ESPAÑOL/SPANISH]

Breve guía para montar revoluciones.
(por el movimiento 15M/Occupy)

Índice:

Sed el 99%.
- Piensa desde el 99%.
- Pregunta al 99%.
- Abre las puertas al 99%.
- Implica al 99%.
El 99% es global.
Conquistad las mentes. Definid vosotros el imaginario.
El motor de una revolución son las emociones.
- No seáis aburridos, y no dejéis que os aburran. La rigidez y el odio son débiles y nos debilitan.

Organización:

Juntaos en los espacios públicos. Son vuestros. Reinventadlos.
- Las manifestaciones son sólo una forma de protesta.
Compaginad la calle y la red.
La unión da la fuerza. No os organicéis temática ni territorialmente.
- La especialización lleva a la dispersión.
Hablad, hablad, hablad.
- Mantened siempre la escucha activa.
- No codifiquéis el mensaje.
Cuidad el debate.
- Que sea la propia gente la que cuide el debate.
Decidid democráticamente. Que las minorías no decidan por vosotros.
Juntos siempre que sea posible. Múltiples el resto del tiempo.
- Priorizar momentáneamente no significa renunciar.
- ¿Reforma o revolución?, ¿cambiar el sistema o construir uno nuevo alternativo?.
- Multiplicidad, pero sin perder el peso de cada uno.
No dejéis que las minorías venenosas maten al resto.
Horizontales siempre, incluso siendo verticales.
Fabricad espacios abiertos, maleables y llenos de personas.
- Espacios abiertos.
- Espacios maleables.
- Somos personas, nos sentimos a gusto tratándonos como personas.

Acciones:

La fuerza de la no-violencia.
No dejéis que os etiqueten, que os limiten. Innovad. Sorprended.
Pensad a lo grande.
- Evaluad vuestras acciones.
Sed activos, no reactivos. Priorizad.
- Marcad vosotros los tiempos.
No propongas, haz.
- Machacar a los demás no es un buen método para que se unan.
- Grupos de afinidad.


 

Sed el 99%. La estructura de una sociedad se basa en su aceptación por parte de la gente que la forma. Si la sociedad decide cambiar y se organiza para hacerlo, el cambio es inevitable. En este escenario, cualquier intento por parte del poder por intentar detener el cambio resulta inútil si la mayoría decide llevar a cabo ese cambio.
- Piensa desde el 99%. Antes de hacer una propuesta, sea una acción o una reivindicación, piensa: ¿va mi propuesta en la línea del 99%, sentirá el 99% mi propuesta como suya? Ten en cuenta que es el 99% quien tiene la fuerza para producir un cambio o para evitarlo. Si intentas imponerle a la gente algo que no sientan como suyo fracasarás.
- Pregunta al 99%. Por lo tanto, uno de los primeros pasos fundamentales es preguntar y entender qué es lo que quiere el 99%. Y esta es una pregunta que debe mantenerse abierta siempre, en permanente construcción y enriquecimiento por parte de todos.
- Abre las puertas al 99%. Cualquiera tiene que sentir que los espacios, las estructuras, las acciones y las propuestas son también suyas y puede participar en su construcción o decisión, así como seguir su evolución. Si hay minorías que deciden por mí, o espacios exclusivos o que no siento como míos, no será mi revolución, y por tanto no será la revolución del 99%.
- Implica al 99%.Proclamar que todo el mundo puede participar de los espacios y acciones no es suficiente para que de hecho lo hagan. Conseguir que la gente participe activamente en el cambio es más importante que cualquier acción. Las minorías de activistas no cambian el mundo, por muy claro que crean que ven ellos las cosas, por lo que es fundamental generar mecanismos para que todo el mundo participe activamente. Recordad que participar no pasa sólo por ir a asambleas, manifestaciones o acciones. Participar puede ser dar un abrazo, acercar una silla, escribir un texto, mandar una postal a una persona anónima explicándole porqué somos el 99%, etc. Es fundamental que cada persona pueda encontrar o inventar la forma en la que le gustaría participar.El 99% es global. ¿Por qué limitar el cambio a un sólo país? Nuestras vidas ya no se rigen por lo que se decide a nivel nacional. No dejéis que líneas dibujadas en un mapa frenen la ola de cambio que generéis.
Los cambios se replican veloces por todo el planeta demostrándonos cómo nuestras aspiraciones más básicas son las mismas y pueden ser compartidas instantáneamente sin necesidad de traducciones culturales. Hablad cara a cara con gente de movimientos de otros países y descubriréis generalmente que las diferencias son superficiales y se limitan a lo estético o a lo anecdótico.
Por otro lado, compartir la revolución con otros países ayuda a que la gente en cada país se sienta reafirmada en formar parte de ella, e incluye a mucha más gente que podrán producir ideas, propuestas y herramientas de las que beneficiarse en todos lados. Que el colectivo crezca ayuda a que crezca a su vez la inteligencia colectiva.
Alcanzar verdaderamente el nivel global significa crear un diálogo real entre gente de todo el mundo independiente de las fronteras. No es sólo traducir lo que se haga en el país de cada uno, y crear cientos de monólogos.Conquistad las mentes. Definid vosotros el imaginario. Si la clave de la revolución es que la gente quiera un cambio y decida llevarlo a cabo, la subjetividad de la gente es lo que aspiramos a cambiar para que se produzcan cambios objetivos. Por lo tanto esa subjetividad de cada uno, y el imaginario colectivo que construimos entre todos, será el principal campo de batalla.
La revolución es una lucha por etiquetar como posible lo que antes era considerado imposible. En el momento que esto se consigue la revolución ya ha ganado, el cambio estructural que venga a continuación es inevitable. La principal estrategia del sistema es definir “lo que son las cosas”, “la realidad”, con una imagen muy concreta, que coincide siempre con el estado actual de la sociedad, y hacer creer que cualquier cambio es imposible o dañino.El motor de una revolución son las emociones. Eso es lo que define que las acciones triunfen o no. Es la clave, es lo que nos hace acercarnos o no a un discurso o a una propuesta, es lo que nos hace implicarnos, es lo que nos hace sumergirnos en las cosas. Si no activáis el motor emocional de la gente es imposible triunfar. Estar de acuerdo con una idea, si no nos toca por dentro, no es suficiente para que intentemos hacerla realidad.
- No seáis aburridos, y no dejéis que os aburran. La rigidez y el odio son débiles y nos debilitan. Cuando nos divertimos somos creativos, empáticos y simpáticos. La risa y la festividad, la naturalidad y la informalidad, tienen mucha más fuerza, os reafirman en vuestra legitimidad, invitan a la gente a unirse, nos motivan en nuestra voluntad de cambio. Se puede tratar cualquier tema seriamente sin necesidad de tener una mueca en la cara o gritar a nadie. El odio anula y destruye la creatividad, limita los caminos, cierra vuestras opciones, os quita fuerza, os divide. No necesitáis odiar al 1% para ganar, sólo confiar en el 99%.

Organización:

Juntaos en los espacios públicos. Son vuestros. Reinventadlos. Encontraos en los espacios públicos y hablad y disfrutad y organizaos. Tomad las calles, las plazas, los parques, los mercados, los museos, el metro, el ascensor. Recuperad vuestros espacios y visibilizad al 99%, pero no os limitéis a juntaros para manifestaros. Y si hay una manifestación, aprovechad que os habéis juntado para hablar, organizaros, crear, proponer, inventar, innovad. Los espacios del 99% están esperando a que los reinventemos de nuevo.
- Las manifestaciones son sólo una forma de protesta. Y en una gran cantidad de casos no alcanzan sus objetivos. No os limitéis a lo de siempre. _Innovad_Imaginad_.

Compaginad la calle y la red. En la calle están las emociones, lo físico, lo que nos mueve. En la calle está la cara del otro, su manera de hablar o reírse, sus emociones y todo lo que nos permite empatizar con él. En la calle sentimos que somos muchos, nos da energía y nos desprendemos de la sensación de aislamiento y soledad. Nos reconocemos como el 99%.
Por otro lado la calle está limitada. En la calle hay un límite máximo de personas que pueden hablar entre sí, hay un límite a la organización, a la velocidad de transmisión de información, de organización. La organización en la calle no es escalable. Además no siempre es inclusiva, sabemos que no todos pueden acudir a encontrarse, que sólo estamos una mínima parte.
La red es un espacio ilimitado e instantáneo donde millones de personas se pueden encontrar y organizar, por encima de fronteras, uniendo culturas y países. Creando incluso lazos afectivos que de otra forma sería muy difícil crear. La red permite diferentes ritmos de encuentro y trabajo, no sólo el simultáneo; podemos estar todos a la vez o estar cuando podemos, podemos comunicarnos de varias maneras lo cual facilita la participación y la diversidad, y por tanto la inclusividad.
La red es el único espacio realmente democrático, realmente horizontal y descentralizado, donde los grandes poderes no tienen más fuerza que los ciudadanos.
Si se pierde la calle se pierde la emoción. Si se pierde la red se pierde la globalidad, y nuestro arma, informativa y organizativa, más potente.

La unión da la fuerza. No os organicéis temática ni territorialmente. Aunque en un primer momento la decisión de organizarse temática o territorialmente pueda parecer una decisión muy natural, si la base de la organización es esta, acabaréis priorizando las cuestiones temáticas o territoriales y os centraréis en ellas, en luchas y acciones parciales en las que sólo se implicará la gente del territorio o del tema en cuestión, y que por lo tanto no apelarán ni tendrán la fuerza del 99%. La división hará que no sintamos la lucha como propia, que no nos sintamos parte de la revolución; la segmentación por objetivos individuales y concretos difuminan la referencia de aquello que nos une y nos define como 99%. Por ejemplo: Si el movimiento está basado o limitado a la educación, en esa lucha probablemente tiendan a implicarse únicamente profesores, alumnos y familiares de estos, aunque a todos nos parezca la educación una de las bases fundamentales de la sociedad. Lo mismo puede ocurrir si nos centramos en pensar desde nuestro barrio o nuestra ciudad.
Sin embargo, si en lugar de lo particular, la base es lo común, lo que nos une, todo el mundo pensará en todos los temas y territorios, y cada lucha parcial será pensada, propuesta y respaldada por todos. Todos seremos los encargados de velar por cada lucha parcial.
Respecto a lo territorial, además de esto, hay que tener en cuenta que las divisiones territoriales existentes no responden al sentir general. Dormimos, trabajamos y nos relacionamos pasando de unas zonas a otras, a veces incluso traspasando fronteras, comunicándonos y creando vínculos y afinidades más allá de nuestros países. El concepto de organización territorial es accidental y, especialmente gracias a las nuevas tecnologías, ha perdido el sentido.
Por supuesto, todo esto no quita que sobre esa base organizativa común no puedan existir estructuras temáticas o territoriales, pero siempre como elementos secundarios o adicionales respecto a lo realmente colectivo y universal.
- La especialización lleva a la dispersión. Tendemos a organizarnos en cientos de grupos distintos para resolver cada tarea o tema concreto, lo que acaba produciendo mucha dispersión, y fragmentación en grupos pequeños que funcionan peor y en los que la gente deja de participar. Cada vez que forméis un nuevo grupo aseguraos de que hay una razón para ello, y de que hay un seguimiento del grupo que se asegura que no se dispersa y sigue siendo efectivo.

Hablad, hablad, hablad. Que la palabra lo llene todo. Que todas las opiniones se escuchen. Que toda la información aparezca. Que la gente debata y debata.
- Mantened siempre la escucha activa. Escuchad, escuchad, escuchad. Que las diferencias se entiendan. Que se comprenda al otro. Si no nos escuchamos, no llegaremos lejos; si cada uno hace la revolución por su cuenta, fracasaremos todos. Que los debates no se conviertan en peleas por ver quién tiene razón. Aseguraos todos de que la escucha activa esté siempre presente y haya una voluntad permanente de entender lo que quiere el otro, nos guste o no. Dejad que las ideas sean las protagonistas y no las personas.
No olvidéis que la escucha activa es lo opuesto a la pasividad. Va más allá de la mera atención y respeto, elementos fundamentales pero no suficientes. La escucha activa no es simplemente esperar vuestro turno de palabra con atención. Es una actitud genuina de comprensión de lo que dice el otro, y de porqué lo dice, y de construcción a partir de lo dicho. Motivad que todo el mundo pregunte sobre lo que no entiende, que se busquen puntos de vista alternativos, que los argumentos se refuercen o se cambien.
- No codifiquéis el mensaje. Para facilitar la escucha activa no uséis lenguajes privados, técnicos, ni innecesariamente complejos. Expresad las opiniones de manera sencilla, clara, concisa y sintética: exponed y reforzad vuestra principal idea sin excederos en explicaciones, adornos ni tecnicismos innecesarios. El objetivo es que la mayoría pueda comprender vuestras ideas para participar en el debate y eso implica no usar lenguajes difíciles o codificados, pertenencientes a guetos y cargados de significados enlatados. Las ideas pueden mantener su complejidad a pesar de expresarse de manera simple.

Cuidad el debate. No permitáis que en vuestros espacios de debate y palabra la gente se ataque entre sí, se creen climas violentos o la gente no se atreva a levantarse y expresar dudas o estar en contra de la mayoría. Nada justifica que la palabra no sea una palabra tranquila o que haya miedo a pensar de manera diferente.
- Que sea la propia gente la que cuide el debate. Que sea todo el mundo los que estén atentos frente a la demagogia, la violencia o el miedo al disenso. No carguéis esta responsabilidad sobre encargados de ello. Dotaros de herramientas que os permitan actuar colectivamente ante situaciones conflictivas.

Decidid democráticamente. Que las minorías no decidan por vosotros. A la hora de tomar decisiones intentad que todo el mundo exprese su opinión, especialmente las opiniones discordantes. Dejad que los debates se desarrollen e intentad que se reformulen las posturas y se busquen consensos entre las opiniones encontradas. Pero no forcéis la síntesis ni el pensamiento homogéneo que conlleva la unanimidad. No todas las posiciones son sintetizables en una única posición. Que sea la gente la que decida cuándo el debate ya ha llegado a su fin y no se pueden acercar más las posturas y es hora de decidir. Y cuando lo hagan, decidid mayoritariamente. Asegurad que los disensos minoritarios se recogen y pueden tener su propio recorrido y construir sus espacios (varios de ellos después de trabajarse se convertirán en mayoritarios), pero que no bloqueen el sentir mayoritario. La búsqueda del consenso (que es el cómo funciona el proceso) no se debe confundir con la unanimidad (que sería uno de las posibles exigencias al final del proceso, y que por cierto resulta totalmente paralizante, a diferencia del funcionamiento por mayorías; no repitáis el mismo error del sistema de dejar que el interés de un 1% se anteponga al del 99%). Las decisiones tomadas deben poder ser replanteadas de nuevo siempre que la gente quiera y lo justifique. Por ello no hay ningún problema en tomar una decisión errónea. La parálisis producida por el miedo a hacerlo es mucho más peligrosa.

Juntos siempre que sea posible. Múltiples el resto del tiempo. Sed constructivos. No os obstinéis en lo que cada uno cree que es el camino correcto. Siempre que sea posible actuad juntos, y cuando no lo sea abrid varios caminos y trabajad en el vuestro sin atacar el de los otros. Si realmente os equivocabais será bueno que haya gente trabajando en otras opciones. Cuidado con fabricar propuestas de consenso artificiales en las que parece que todo el mundo se ve reflejado pero que no contentan a nadie, esto suele desaprovechar lo más interesante de cada idea.
- Priorizar momentáneamente no significa renunciar. En el caso de que en algún momento se quiera tomar alguna decisión que afecte a todo el movimiento y en la que en ese punto no se puedan abrir varios caminos, recordad que en cualquier momento futuro se podrán tomar otras decisiones o probar otras vías. Todas las decisiones son revisables, y para tomar las más adecuadas muchas veces tenemos que pasar primero por varias erróneas. Que el no coincidir con la decisión tomada no os haga intentar evitar que se tome. No antepongáis vuestra posición individual a la del resto.
- ¿Reforma o revolución?, ¿cambiar el sistema o construir uno nuevo alternativo?. Huid de las preguntas que llevan a dicotomías innecesarias o artificiales. La realidad y sus opciones están llenas de matices, no sólo hay que escoger entre opuestos, se pueden construir varias opciones simultáneamente. Una división común ocurrirá entre gente que quiera pequeños cambios estructurales y los que quieran grandes cambios; o entre los que quieran tomar el control de este sistema y cambiarlo, y los que quieran construir uno nuevo alternativo. No dejéis que el debate se centre en esto. Recordad que, pese a todo, os une la voluntad de cambio. Abrid los dos (o más) caminos e intentad que la gente de cada uno de ellos avance todo lo posible. Abrir varias posibilidades siempre será mejor que tener sólo una, y además no hacerlo sería imponerle una visión del cambio a una parte importante de la gente. Muchas veces lo que parece opuesto a primera vista, se vuelve compatible si soltamos la tendencia a competir. La rivalidad, los opuestos lineales y las dicotomías son funcionales a la lógica del capitalismo.
- Multiplicidad, pero sin perder el peso de cada uno. Sondead qué aceptación tienen las diferentes propuestas entre la gente. Es un elemento fundamental a la hora de entender lo que quiere el 99%, y a la hora de elegir qué priorizar.

No dejéis que las minorías venenosas maten al resto. Siempre surgirán individuos (pocos, pero muy gritones) que intentarán imponer su imaginario personal, utilizar la fuerza de la revolución para su propia lucha personal, la que tienen como prioritaria, con lenguajes añejos, obsoletos, caducos, persistiendo en maneras de hacer las cosas que nunca han terminado de funcionar porque ni sus formas ni sus propósitos apelan al 99%.
Con frecuencia estas personas hacen creer al resto que cualquiera que no piense como ellos “le está haciendo el juego al sistema”, que una postura opuesta a la suya “es un insulto a las víctimas del sistema”, que si no gritas consigas extremistas no estás del lado de “los oprimidos”, utilizarán la demagogia para igualar lo mayoritario con lo totalitario, os acusarán de intentar romper el grupo, pervertirán los conceptos de inclusividad y se las darán de “verdaderos revolucionarios”, llevarán los temas genéricos a lo personal y al ataque de los demás. En general, ante la escasez de argumentos, buscarán imponer sus razones desde el enfrentamiento, utilizando la demagogia, la victimización e incluso la violencia. Sus intervenciones serán por lo general destructivas, excepto cuando la mayoría acepte su pensamiento único. La escucha activa estará siempre ausente.
Las situaciones que tienden entonces a generarse suelen coaccionar a la gente para que exprese lo que piense porque convierten el disenso y la diferencia en confrontación.
Cuando eso ocurra, evitad el enfrentamiento directo, no les deis más espacio o voz que la que se merecen. Neutralizad estas situaciones hablando de ellas; os daréis cuenta de que mucha gente se sentirá igual pero no sabrá cómo decirlo. Es importante tener mecanismos que eviten que estas minorías “radicales” acaparen más atención de la que vale la pena, porque su lucha no es la del 99%. Manteneos alerta, la fuerza de la colectividad es lo único que consigue pararlos, como a todos los pertenecientes al 1%.

Horizontales siempre, incluso siendo verticales. Funcionar horizontalmente y en red hace que seáis muy difíciles de desmontar por el sistema, además de ser lo único realmente democrático. Aseguraos de que cualquier persona puede proponer o organizar cualquier cosa, sin tener que pasar por ningún mecanismo, estructura o permiso de nadie. La ausencia de líderes es importante para que el movimiento sea realmente del 99% y la gente comprenda que son ellos los que deben decidir. Que las posiciones más comprometidas (como portavoces, moderadores o cualquiera que genere tensiones alrededor) sean rotatorias es una excelente solución.
Si en algún momento la mayoría decide que es necesario algún tipo de verticalidad, que esté siempre controlada totalmente por la gente desde la horizontalidad y esta idea esté siempre clara y presente para todo el mundo, dentro y fuera del movimiento.

Fabricad espacios abiertos, maleables y llenos de personas.
- Espacios abiertos. Los espacios deben ser abiertos para permitir que todo el mundo pueda participar. Que los que no lo han hecho nunca se sientan invitados y motivados a hacerlo, que los que lo han hecho puedan volver a hacerlo en cualquier momento, sin necesidad de una dedicación constante. No solo deben ser abiertos a que cualquier persona participe, sino en el sentido de intentar que esa participación sea lo más fácil posible. Si para participar en un espacio hay que seguir miles de protocolos, al final sólo los que ya lo conocen podrán participar, el resto de la gente estará siendo implícitamente excluida. Aparte de la apertura a las personas, también deben ser abiertos a las ideas, que ninguna idea sea censurada o reprimida, todas tienen en principio que poder ser expresadas por igual.
- Espacios maleables. Sin embargo para que sea posible la comunicación y la creación en esos espacios a partir de la suma de voces individuales, es inevitable que tengan que establecerse una serie de reglas de juego, más o menos explícitas. A menudo, estas reglas tienden a volverse más complicadas con el tiempo, al ir tratando de abarcar todas las posibles situaciones que surjan, lo que va en detrimento de la apertura anterior; y por otro lado tienden a volverse dogmáticas. Lo óptimo sería que por el contrario, dichas reglas sean lo más sencillas posibles, para facilitar la participación a cualquiera, y por otro lado que estén abiertas al cambio, y orientadas a ser cambiadas en todo momento, para que puedan optimizarse continuamente. Eso creará espacios orgánicos, vivos, en vez de espacios cristalizados, condenados por sus propias fallas internas.
- Somos personas, nos sentimos a gusto tratándonos como personas. Esto implica respeto, empatía, generosidad, etc. Y aunque seamos muchos, seguimos siendo personas. La naturalidad, la informalidad, son cercanas. Las fórmulas complicadas, de burocracia, de lenguajes enrevesados, nos aislan y separan. “Keep it simple”, que todo sea sencillo, que todos lo entiendan. Detrás de ideas sencillas puede haber conceptos potentes y complejos.

Acciones:

La fuerza de la no-violencia. La no-violencia es un arma infinitamente más fuerte que la violencia. Permite que todo el mundo participe de ella (hombre y mujeres, jóvenes y mayores, con papeles y sin papeles, valientes y cobardes). La no violencia impide que el sistema nos etiquete o deslegitime nuestro mensaje. Permite múltiples formas de acción en lugar de limitarnos a una lucha física concreta en la que el sistema tiene mucha más fuerza que nosotros.

No dejéis que os etiqueten, que os limiten. Innovad. Sorprended. Si os cuelgan etiquetas os simplifican y os convierten en un movimiento sin profundidad. Os reducen a un estereotipo al que nadie más va a querer sumarse o comprender.
El sistema es lento y pesado, vuestra fuerza está en la rapidez, en la fluidez, en el dinamismo. Cuando los movimientos se vuelven predecibles, cuando el lenguaje y las costumbres se vuelven los de la vieja escuela, entonces quedas identificado, te vuelves previsible, y tus movimientos no causan efecto alguno, porque el 1% sabe cómo jugar esas cartas desde hace tiempo. Rompedle los esquemas una y otra vez. Atacad por donde no se lo esperen. Reaccionad de manera imprevista. No estéis nunca donde esperan que estéis. Elegid siempre vosotros el juego al que jugar. Elegid siempre juegos en los que vosotros ganáis. Cada vez que ellos propongan su juego, como un enfrentamiento violento, salid corriendo y plantead uno nuevo.

Pensad a lo grande. Tendemos a pensar desde lo cotidiano y lo común que nos rodea, y a etiquetar sin mucha reflexión como imposible cosas que realmente están a nuestro alcance. Pensad a lo grande, como si tuvierais todos los medios a vuestra disposición, y muchas veces descubriréis que realmente los tenéis. A menudo descubriréis nuevas posibilidades, y en algunos casos que todo era muchísimo más fácil de lo que parecía. Si algo merece la pena, si se ve una mínima posibilidad, y se prevé una gran recompensa, no dejéis de intentarlo.
Aspirad siempre a ganar con vuestras acciones. No caigáis en hacer por hacer. No convirtáis las acciones en un modo de vida.
- Evaluad vuestras acciones. Antes y después de cada acción o propuesta evaluad el efecto que puede tener y que ha tenido, para que os ayude a la hora de decidir los siguientes pasos.

Sed activos, no reactivos. Priorizad. No os convirtáis en un movimiento de respuesta y reacción a lo que haga el sistema. Eso os quema y os limita a una forma de enfocar las cosas muy concreta y muy fácil de neutralizar. La urgencia de reaccionar ante hechos puntuales os hace priorizar lo que quizás no sea una prioridad. No intentéis abrir todas las luchas existentes, centraos y priorizad. Si la acción es global, irá en contra de la totalidad.
- Marcad vosotros los tiempos. Que el tiempo a la hora de proponer acciones, dar respuesta a los medios, o proponer contenidos venga dictado por lo que más os convenga a vosotros. No dejéis que es lo impongan desde fuera, o desde dentro a través de la urgencia ante tantas cosas que habría que cambiar, o a las que habría que responder.

No propongas, haz. El que cada vez que alguien haga una propuesta se comprometa a ponerla en marcha (al menos a organizar un grupo para darle forma y llevarla a cabo en el caso de que necesite a más gente) hace que los espacios sean muchísimo más productivos; invita a la gente a pensar más las cosas antes de proponerlas. Cada vez que alguien no lo haga así, recordádselo con esa frase: “No propongas, haz”.
- Machacar a los demás no es un buen método para que se unan. Para animar a que la gente participe, no reclaméis, os quejéis y critiquéis a los otros con un: “Es que la gente…”. Así no conseguiréis que se motiven a participar. Decidles que les necesitáis, que al grupo le vendría fenomenal su ayuda, que hacen falta personas que sepan de esto o aquello, etc. Cuando uno se siente útil participa por deseo, no por obligación, y esa es la verdadera potencia colectiva.
- Grupos de afinidad. Motivad que la gente se acostumbre a organizarse en grupos en cuanto tengan una idea (en muchos casos grupos de afinidad, grupos de amigos o gente que piensa de un modo similar; no hay necesidad de estructuras burocráticas) y empiecen a llevarla a cabo. No sólo es más efectivo y evita posibles actitudes destructivas cuando las ideas todavía no están del todo maduras, sino que promueve una actitud activa, ante la vida y la sociedad, fundamental para el cambio.

[Copia, traduce y distribuye este texto hasta el infinito]





[PORTUGUÊS/PORTUGUESE]

Guia Rápido para uma revolução
(pelo movimento 15M/Occupy)

Índice:

Sê os 99%.
- Pensa como os 99%.
- Pergunta aos 99%.
- Abre as portas aos 99%.
- Envolve os 99%.
Os 99% são globais.
Conquista as mentes. Define o teu próprio imaginário.
Emoções são os motores por trás de uma revolução.
- Não sejas enfadonho, não deixes ninguém aborrecer-te. Inflexibilidade e ódio são fracos, e fazem-nos fracos.

Organização:

Juntem-se em espaços públicos. São Vossos. Re-inventem-los.
- Demonstrações são apenas uma forma possível de protesto.
Combinem a rua e a internet.
Unidade cria força. Não se organizem por assunto ou território.
- Especialização leva a dispersão.
Falem, falem falem.
- Ouçam sempre ativamente.
- Não codifiquem a mensagem.
Tomem conta do debate.
- Toda a gente deve tomar conta do debate.
Decidam democraticamente. Não permitam que as minorias decidam pelos demais.
Permaneçam unidos sempre que possível. Sejam uma multidão múltipla o resto do tempo.
- Priorizar momentaneamente não significa renunciar.
- Reforma ou Revolução? Mudar o sistema ou construir um novo alternativo?
- Multiplicidade, sem perder o peso de cada indivíduo.
Não permitam que minorias venenosas matam o resto.
Sempre horizontal, mesmo quando vertical.
Criem espaços abertos, flexíveis, cheios de gente.
- Abram espaços.
- Espaços flexíveis.
- Somos humanos e gostamos de ser tratados como tal.

Ações:

A força da não-violência.
Não se deixem rotular e limitar. Inovem. Surpreendam.
Pensem em grande.
- Avaliem as vossas ações.
Sejam ativos, não reativos. Priorizem.
- Marquem o vosso tempo.
Não proponham, façam.
- Afastar os outros não é um bom método de união.
- Grupos de afinidade.


 

Sejam os 99%. A estrutura de uma sociedade só pode existir com a aceitação das pessoas que a formam. Se a sociedade decidir mudar e organizar-se para o fazer, então a mudança é inevitável. Nesta situação, mesmo que os poderosos tentem travá-a, não o poderão fazer se a maioria decidir ir avante com esta mudança.
- Pensem como os 99%. Antes de propôr uma ação ou reivindicação, pensem: Está esta proposta na linha dos 99%, irão os 99% sentir esta proposta como deles? Lembrem-se que os 99% são quem tem o poder de mudar, ou evitar a mudança. Se tentarem impor algo com que eles não se identificam, falharão.
- Perguntem aos 99%. O primeiro passo essencial é perguntar e compreender o que os 99% querem. Isto é algo que deve sempre ser revisto, estar sempre sob construção, sempre valioso.
- Abram as portas aos 99%. Toda a gente deve sentir que os espaços, as estruturas, as ações e as proposições são também deles e que podem participar na sua construção ou decisão, assim como seguir a evolução. Se há minorias que decidem por mim, ou espaçoes exclusivos que não sinto como meus, então não será a minha revolução, e como tal não será a revolução dos 99%.
Envolvam os 99%. Proclamar que todos podem participar nos espaços e ações não é suficiente para que de facto o façam. Conseguir que as pessoas participem ativamente na mudança é muito mais importante do que qualquer mudança. As minorias de ativistas não mudam o mundo, mesmo que pensem que vêem o mundo muito limpidamente, e é por isso que é fundamental gerar mecanismos para que todos participem ativamente. Lembrem-se que participar não é apenas ir a assembleias, demonstrações ou ações. Participar pode ser dar um abraço, aproximar uma cadeira, escrever um texto, mandar um postal a uma pessoa anónima explicando-lhe porque somos os 99%, etc. é fundamental que cada pessoa encontre ou invente a forma como quer participar.Os 99% são globais. Então por que mudar apenas num país? As nossas vidas já não são desligadas dos outros países. Não permitam que linhas imaginárias num mapa impeçam uma mudança maior.
As mudanças são rapidamente replicadas globalmente, mostrando como as nossas aspirações são aproximadamente as mesmas e prontas a ser partilhadas sem tradução cultural. Falem cara a cara com pessoas de outros lugares e descubram que as diferenças são meramente superficiais e limitadas ao estético ou anedótico.
Partilhar a revolução com outros países ajuda as pessoas a sentirem-se confortadas por fazerem parte e inclui muito mais gente para produzir ideias, propostas e ferramentas que nos podem ajudar a todos. O crescimento colectivo é um crescimento intelectual.
Alcançar um nível global significa criar um diálogo verdadeiro entre pessoas de todo o mundo. Não é traduzir o que cada país faz e criar centenas de monólogos.

Conquistem as mentes. Definam o vosso próprio imaginário.
Se a chave para a revolução é as pessoas quererem e lutarem por uma mudança, a subjectividade é o que necessita ser transformado para uma mudança efectiva. É por isso que cada subjectividade individual e imaginário colectivo entre todos serão o nosso primeiro campo de batalha.
A revolução é uma luta para fazer as pessoas acreditar numa mudança que parecia impossível antes.
Se perceberem isto, a revolução ganha – a mudança estrutural que vem depois é inevitável.
A principal estratégia do sistema é definir “o que as coisas são”, “realidade”, com uma imagem muito concreta, que replica sempre o status quo, fazendo qualquer possibilidade de mudança impensável.

Emoções são os motores atrás de uma revolução
Isto é o que define se uma ação terá sucesso ou não. É a chave, o que nos aproxima de um discurso, uma proposta, de nos cometermos.
Se as emoções são inativas então é impossível ter sucesso. Se concordam com uma ideia mas não se sentem movidos por ela, então não farão um esforço para a tornar realidade.
- Não sejam enfadonhos, e não deixem ninguém aborrecer-vos. Inflexibilidade e ódio são fracos, e tornam-nos fracos.
Quando nos divertimos somos criativos, empáticos e simpáticos. Rir, comportar-se naturalmente, dá-vos força, reafirma a vossa legitimidade, convida outras pessoas a juntarem-se. Podem fazer frente a qualquer tema sério sem ter uma fronha na cara, sem gritar. O ódio desrói a nossa criatividade, limita as vossas opções, divide o grupo. Não t|em que odiar o 1% para ganhar, apenas confiar nos 99%.

Organização:

Juntem-se em espaços públicos. São vossos. Re-inventem-los. Juntem-se em espaços públicos e falem e divirtam-se e organizem-se. Tomem as ruas, as praças, os parques, os mercados, os museus, o metro, o elevador. Tomem os vossos espaços e façam os 99% visíveis mas não se contentem a juntar apenas para demonstrar. Se há uma demonstração, aproveitem a oportunidade e juntem-se para falar, organizar, criar, propôr, inventar, inovar. Os espaços dos 99% estão à espera de ser totalmente reinventados.
- Demonstrações são apenas uma forma de protesto. Na maioria dos casos, elas não alcançam os seus objectivos. Não se limitem ao que já é conhecido. _Inovem_Imaginem_.

Combinem as ruas e a internet: Nas ruas é onde encontrarão emoções, fisicalidade, o que ns move. É onde poderão ver o outro, a forma dele falar, a forma dela rir, as suas emoções e tudo o que nos liga. Sentimos que somos muitos, dá-nos energia e faz-nos sentir menos sós e isolados. Reconhecemo-nos como os 99%.
Por outro lado, as ruas são limitadas. Há uma quantidade limitada de gente a falar, uma organização e troca de informação limitadas – não é sempre inclusiva, pois sabemos que nem todos se podem juntar, há uma quantidade limitada de nós.
A internet é um espaço instantâneo e ilimitado onde milhões de pessoas se podem encontrar e organizar, unindo países e culturas, criado ligações que seriam de outra forma impossíveis. A internet é o único espaço democrático, horizontal e descentralizado onde os grandes poderes são mais fracos que a soma dos cidadãos.
Quando saímos da rua a emoção perde-se. Se perdermos a Inernet, perdemos globalidade, perdemos a nossa ferramenta organizadora e a nossa fonte de informação mais poderosas.

Unidade faz a força. Não se organizem por tema ou território.
Apesar da ideia de organizar o movimento por temas ou territórios parecer bastante natural e lógica, dessa forma apenas se irão focar e priorizar os problemas temáticos ou territoriais e começa a haver lutas parciais onde apenas as pessoas envolvidas nesse tema ou território se juntarão, perdendo a força dos 99%, Se dividirmos as lutas, muitas pessoas não sentirão como suas tais lutas, e como tal não será a sua revolução; Esta divisão faz desvanecer as referências que nos unem e nos definem como os 99%. Como exemplo: Se o movimento é baseado ou limitado à educação, nessa luta só estarão envolvidos professores, estudantes e parentes, mesmo quando todos nós pensamos que a educação é um dos pilares da sociedade. O mesmo pode ocorrer se pensarmos desde a nossa vizinhança, ou cidade.
Contudo, se em vez de pontos particulares, a base do movimento for os pontos comuns, o que nos une, todas as pessoas irão pensar em todos os temas e territórios, todas as lutas parciais serão pensadas, propostas e apoiadas por todos. Estaremos todos encarregues de defender cada luta parcial.
Apesar disso, com respeito aos territórios, temos que ter em conta que divisões territoriais nada têm a ver com o sentimento comum. Dormimos, trabalhamos e conhecemos gente indo de uma área à outra, por vezes atravessando fronteiras, comunicando e criando laços e afinidades além-fronteiras. A ideia de uma organização territorial é acidental e, especialmente devido às novas tecnologias, perdeu o seu sentido.
Claro que isto não significa que por cima de uma base comum de organização não se possam construir estruturas organizadas por tema ou território, mas sempre como elementos secundários com respeito ao que é realmente colectivo e universal.
- Especialização leva a dispersão. Temos tendência para organizar grupos pela sua discussão ou conhecimento especializado – a evitar para não haver fragmentação.
Cada vez que criam num novo grupo assegurem-se que há uma razão para isso; assegurem-se também que algumas pessoas contribuem para que não haja dispersão para que o grupo possa ser eficiente.

Falem, falem, falem. Espalhem as palavras para todo o lado. Ouçam todas as opiniões. Deixem toda a informação aparecer. Debatam e deixem as pessoas debater.
- Ouçam sempre ativamente..
Ouçam, ouçam, ouçam. Deixem que as diferenças sejam percebidas. Permitam que todos se entendam. Se não ouvirmos os outros não chegaremos longe; se cada um de nós faz a revolução por si, todos falharemos. Os debates não devem tornar-se em lutas para ver quem tem razão. Assegurem-se que todos ouvem ativamente, e que há sempre uma vontade de compreender o que o outro quer, independentemente se gostamos ou não. Deixem que as ideias, e não as pessoas, tenham o principal papel no debate.
Não se esqueçam que ouvir ativamente é o oposto de passividade. Vai muito além de apenas atenção e respeito. Não significa esperar a vossa vez para falar com atenção. É uma atitude genuína de perceber o que o outro diz, por que o diz, e construir a partir daí. Motivem a que todos questionem sobre o que não compreendem, que procurem pontos de vista alternativos, que os argumentos sejam reforçados ou alterados.
- Não codifiquem a mensagem.
Para facilitar a audição ativa não usem linguagens desnecessariamente complexas, privadas ou técnicas. Expressem as vossas opiniões de forma sintética, clara, fácil e concisa: exponham e reforcem a vossa ideia principal sem demasiadas explicações, adornamentos, ou tecnicalidades desnecessárias. O objetivo é que a maioria perceba as vossas ideias para juntar-se ao debate. As ideias podem ainda assim ser muito complexas mesmo se expressas de forma simples.

Tomem conta do debate.
Não permitam que as pessoas se ataquem nos espaços de debate, ou que atmosferas violentas apareçam ou que as pessoas tenham medo de aparecer e expor as suas ideias ou dúvidas contra a maioria. Nada justifica que o debate não seja calmo, ou o medo de pensar diferente.
- Todos devemos tomar conta do debate.
Todos devem estar alerta contra a demagogia, violência ou o medo de pensar de forma diferente. Não permitam que algumas pessoas estejam no poder. Construam ferramentas que vos permitam responder colectivamente em tais situações.

Decidam democraticamente. Não permitam que as minorias decidam pelos demais.
Quando tiverem que tomar uma decisão deixem que todos expressem as suas opiniões, especialmente as que estão em desacordo. Deixem os debates evoluir, e tentem que as pessoas reformulem as suas propostas e encontrem um consenso entre as divergências. Mas não forcem a síntese ou o pensamento homogéneo como unanimidade. Nem sempre opiniões divergentes conseguem ser sintetizadas numa única opinião. Deixem as pessoas decidir quando o debate terminou e as opiniões não se conseguem aproximar mais, e então é tempo de tomar uma decisão. E quando chegar a hora, tomem a decisão pela maioria. Assegurem-se que as divergências minoritárias são coletadas e que têm o seu espaço de ser trabalhadas e construir os seus próprios espaços (algumas após algum trabalho podem tornar-se em opiniões da maioria), mas não deixem que elas bloqueiem o sentimento da maioria. Procurar consenso (como o processo funciona) não deve ser confundido com unanimidade (essa é apenas uma das possíveis formas de tomar uma decisão no fim do processo, e é totalmente paralisadora ao contrário da via da maioria; não repitam o mesmo erro do sistema de por os interesses do 1% à frente dos interesses dos 99%). Todas as decisões devem ser reconsideradas quando as pessoas querem e se justifica. Assim, não há problema em tomar decisões erradas. A paralisia produzida pelo medo de atuar erroneamente é muito mais perigosa.

Permaneçam unidos sempre que possível. Sejam uma multidão múltipla o resto do tempo.
Sejam construtivos. Não persistam sempre no que cada um pensa que é a forma correta. Atuem juntos sempre que possível; Abram diferentes vias e trabalhem nas vossas opções sem atacar os outros no resto do tempo. Se estiverem errados será ótimo que outras pessoas estejam a trabalhar nas suas ideias. Não edifiquem propostas consensuais artificiais que pareçam conter a opinião global mas que na verdade não satisfazem ninguém; isso normalmente mata as partes mais interessantes de cada ideia.
- Priorizar momentaneamente não significa renunciar.
Se a certa altura precisarem fazer uma decisão que afecta todo o movimento, e a essa altura não for possível abrir múltiplos caminhos, lembrem-se que todas as decisões podem ser reconsideradas no futuro, e como tal terão a oportunidade de tentar outros caminhos. De forma a encontrar as decisões corretas, muitas vezes temos que tomar algumas erradas primeiro. Não deixem que o vosso desacordo evita uma decisão de ser tomada. Não ponham a vossa posição à frente da dos demais.
- Reforma ou Revolução? Mudar o sistema ou construir um novo alternativo?
Fujam de questões que vos levem para dicotomias artificiais e desnecessárias. A realidade é cheia de possibilidades, não têm que escolher entre opostos – muitas opções podem ser criadas simultaneamente.
Uma divisão natural aparecerá entre pessoas que querem pequenas mudanças e aquelas que querem grandes mudanças; ou entre as que querem controlar o sistema e mudá-lo e aquelas que querem criar um novo alternativo. Não deixem o debate focar-se aí – não há necessidade! Lembrem-se que todos queremos uma mudança. Abram múltiplos caminhos e deixem as pessoas ir o mais longe possível.
Muitas possibilidades é sempre melhor do que apenas uma – e mais pessoas participarem, por extensão.
Por vezes o que parece oposto à primeira vista acaba por descobrir-se um complemento, se evitarmos competição.
Competiçãp, dicotomias, opostos impossíveis são estratégias do capitalismo.
- Multiplicidade, sem perder o peso de cada indivíduo.
Façam sondagens para ver a aceitação de diferentes propostas entre pessoas. É uma ferramenta importante compreender o que os 99% querem, e ajudar-vos a decidir as vossas prioridades.

Não permitam que minorias venenosas matem o resto.
Vão sempre aparecer alguns indivíduos (não muitos, mas muito barulhentos) que tentarão impor as suas opiniões e imaginário pessoais, usar a força da revolução para a sua luta pessoal, aquela que eles pensam ser prioritária, usando linguagens old-style, persistindo em vias de atuação que nunca funcionaram porque nem as suas propostas nem os seus caminhos são os dos 99%.
Frequentemente estas pessoas tentam fazer com que as pessoas acreditam que quem pensa diferente deles está “do lado do sistema”, que outras opiniões são “um insulto às vítimas”, que se não berrarem slogans extremistas não estão do “lado dos oprimidos”, usarão demagogia para igualar maioria com totalitarismo, acusar-vos-ão de dividirem o grupo, chamar-se-ão “verdadeiros revolucionários”, tomarão os temas genéricos para o lado pessoal e atacarão os outros. Normalmente, a sua falta de argumentos levá-los-á a impor as suas opiniões através de ataques, demagogia, vitimização e mesmo violência. As suas intervenções vão normalmente ser destrutivas, exceto quando a maioria concordar com as suas opiniões. Ouvir ativamente será impossível para eles.
A atmosfera gerada por eles coerce o resto das pessoas a expressar o que pensam porque eles transformam o pensamento diferente em confronto.
Quando isto acontece, evitem confrontos diretos, não lhes dêem mais espaço ou voz do que eles merecem. Neutralizem estas situações falando nelas; irão ver que muitas pessoas sentem o mesmo que vós, mas não saberão como dizê-lo. É muito importante construir mecanismos para evitar que estas minorias radicais monopolizem o espaço e o tempo, porque a sua luta não é a dos 99%. Estejam alerta, a força da maioria é a única coisa que os pode parar, como sempre acontece com aqueles pertencentes aos 1%.

Sempre horizontal, mesmo quando vertical.
Trabalhar de forma horizontal, e usando estruturas em rede, torna muito difícil ao sistema desmantelar-te, e é a única forma verdadeiramente democrática. Assegurem que todos podem propor e organizar algo sem atravessar burocracias, permissões, estruturas. A ausência de líderes é muito importante para que o movimento pertença aos 99%, e deixem que as pessoas entendam que são elas que têm que decidir. Fazer todas as posições delicadas (porta-voz, moderadores, ou outra posição geradora de tensões) rotativas é uma excelente solução.
Se a dado momento a maioria decide que necessita alguma forma de estruturas ou posições verticais, assegurem-se que estas são controladas a todo o momento por todas as pessoas na via horizontal, e essa ideia seja clara e presente para todos dentro e fora do movimento.

Criem espaços abertos, flexíveis e cjeops de gente.
- Abram espaços. Espaços devem estar abertos para todos possam entrar. Aqueles que nunca vieram antes devem sentir-se confortáveis e convidados a fazê-lo; aqueles que já se juntaram devem sentir-se motivados para regressar quando quiserem. Tornem a participação tão fácil quanto possível, se de forma a participar num espaço alguém tiver que seguir milhares de protocolos, no fim isso vai implicitamente excluir muita gente.
Abram espaços para pessoas e ideias. Não deixem nenhuma ideia ser censurada.
- Espaços flexíveis.
Contudo, de forma a fazer comunicação e criação possíveis nesses espaços, através da soma das vozes individuais, é necessário estabelecer algumas regras explícitas. Comummente, estas regras tendem a tornar-se complicadas com o tempo, tentando evitar todos os possíveis problemas, indo contra a abertura prévia; e também tendem a tornar-se dogmas. O melhor seria tornar todas estas regras tão fáceis quanto possível, permitindo a toda a gente participar, e ao mesmo tempo permitir a todas as regras que sejam mudadas e redesenhadas aqualquer momento para que possam sempre ser melhoradas. Isto criará espaços vivos e orgânicos, em vez de espaços cristalizados condenados às suas falhas internas.
- Somos humanos e gostamos de ser tratados como tal.
Isso implica respeito, empatia, generosidade, etc. E mesmo sendo muitos, somos apenas humanos. Comportarem-se naturalmente aproximar-vos-á das pessoas. Burocracia, linguagens complicas, afastam-nos uns dos outros. Atráves destas simples ideias podem estar poderosos conceitos.

Ações:

A força da não-violência. A não violência é mais poderosa do que a violência. Permite que todos participem (homens, mulheres, jovens, idosos, legais, ilegais, covardes e corajosos).
Não-violência evita rótulos e não permite ao sistema deslegitimizar a nossa mensagem.
Permite múltiplas ações em vez de uma batalha física que nos torna muito mais fracos que o sistema..

Não se deixem rotular e limitar. Inovem. Surpreendam.
Se eles nos rotularem ou simplificarem o movimento perde a sua profundidade; ser reduzidos a um estereótipo com o qual ninguém se identifica ou compreende.
O sistema é pesado e lento, a nossa força está na fluidez, no ritmo alto, no dinamismo.
Quando os movimentos se tornam previsíveis, quando linguagens e hábitos se tornam uniformes e old-school o movimento perdeu a sua chama, e como tal torna-se ineficiente porque os 1% sabem como jogar esse jogo. Sejam imprevisíveis, ataquem onde eles não esperam um ataque, confundam-nos, não estejam onde eles vos esperam. Escolham sempre o jogo a jogar, e escolham jogos que vençam. Cada vez que eles proponham um jogo, como um choque violento, fujam e proponham um novo.

Pensem em grande.
Temos tendência a pensar a partir das nossas vidas diárias, daquilo que está à nossa volta, e normalmente rotulamos como impossível muitas coisas que estão ao nosso alcance. Pensem em grande, como se tivessem todos os meios, e muitas vezes descobrirão que afinal era mais fácil do que se pensava, ou irão descobrir novas formas de atingir o que queriam. Se algo valhe a pena, se há pelo menos uma mínima hipótese de fazê-lo, e fornece uma grande recompensa, não deixem de tentar.
Aspirem a vencer as vossas ações. Não caiam no ativismo como estilo de vida.
- Avaliem as vossas ações.
Antes e depois de cada ação ou proposta avaliem o efeito que poderão ter ou tiveram, de forma a ajudar-vos a decidir nos passos seguintes.

Sejam ativos e não reativos. Priorizem.
Não se tornem um movimento de reação ao que o sistema faz. Isso queima-vos e limita-vos a uma forma muito específica de enfrentar as coisas, e torna-vos fáceis de neutralizar. A urgência de responder a situações específicas fazem-vos priorizar o que pode não ser uma prioridade. Não tentem abrir todas as lutas, foquem-se e priorizem.
- Marquem o vosso tempo.
Quando estiverem a propor ações, responder aos media ou a propor conteúdo para o movimento, marquem o vosso tempo, o mais conveniente para vocês. Não deixem ninguém de fora impor-vos um ritmo, ou apressar-vos devido à urgência de todas as coisas que desejam mudar ou responder.

Não proponham, façam. Estimulem compromisso cada vez que há uma proposta (pelo menos organizando um grupo para lhe dar uma forma definida e fazê-a acontecer no caso de necessitarem de mais gente) para que os espaços possam ser muito mais produtivos; convida pessoas a pensar antes de propor.
Lembrem-se sempre de dizer: Não pronham, façam.
- Afastar os outros não é um bom método de união.
De forma a encorajar os outros a juntarem-se, não exijam, queixem ou critiquem a passividade das pessoas. Dessa forma não as encorajarão a envolver. Digam-lhes o que necessitam delas, que o grupo apreciará a sua ajuda. Quando alguém se sente útil participará por desejo e não por obrigação.
- Grupos de afinidade. Motivem as pessoas a habituarem-se a organizar em grupos quando desenvolverem uma ideia (grupos de afinidade, amigos ou pessoas que pensam similarmente; sem burocracia).
Não é só mais eficiente e menos destrutivo quando as ideias não estão totalmente maduras mas também promove uma atitude ativa para a vida e a sociedade, extremamente importante para a mudança.




About author
A #globalrevolution enthusiast. Twitter: @AliceKhatib
Submit your comment

Please enter your name

Your name is required

Please enter a valid email address

An email address is required

Please enter your message

You think some article is too ethnocentric or difficult to grasp for most of world's population? Tell us - or even better: send us a better version! Thank you!
Donate with WePay

Copyleft, 2011. All rights reversed.

Designed by WPSHOWER

Powered by WordPress